sábado, 31 de dezembro de 2016

Memórias - Lusitano Évora 2008/09


sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

Memórias - Redondense


quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

Memórias - Juventude Évora (Anos 70)


quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

História do Futebol em Évora - Equipas - Real Casa Pia de Évora


Com esta lacónica notícia inserta no diário «Notícias de Évora», de 13-4-1909, descrevia a introdução do Futebol nesta cidade. que viria evolucionar a vida citadina da famosa povoação romana, após alguns anos de porfiada luta na sua prática.

«Foi ontem inaugurado o jogo de Foot-ball na cêrca d'este estabelecimento por um grupo de sympathicos rapazes eborenses, composto dos srs.Ricardo de Mattos Villardebó, Anselmo de Mattos Villardebó, Joaquim de Mattos Fernandes, Angelo Moreno, Raul de Sousa, Manuel Villas Boas e Jacintho Rosado Lopes, que da melhor vontade se prestaram a ensinar os alunnos d'este estabelecimento.
Completou-se o grupo com 15 alunnos da casa que jogaram várias partidas, tornando-se o jogo muito interessante pelo enthusiasmo que em todos se notava.
Num intervallo houve luta japonesa para os alunnos verem, entre os srs. Raul de Sousa e Angelo Moreno, tornando-se de grande effeito.
Em seguida houve Judo pelos srs. Angelo Moreno e Jacintho Rosado Lopes, dando-se vários golpes com muita precisão.
Assistiram ao ensaio os srs. Provedor e Vice-Provedor que se mostraram muito reconhecidos para com estes bons rapazes que prestam assim um grande benefício aos alunnos do estabelecimento com este género de Sport que muito poderá concorrer, realmente, para o seu desenvolvimento phisico.»

(Do «Notícias de Évora», n.° 2 550, de 13-4-1909).


A Casa Pia de Évora foi fundada em 1836, que brilhantemente tem sabido honrar os pergaminhos da terra mãe. Porém, não se alheou ao sport, que nas primeiras décadas do século XX contagiou os espíritos da época.
Praticou de preferência os sports atléticos, bem como o futebol e outras modalidades.
Cabe-lhe a honra de terem sido eles os introdutores nesta cidade do Foot-ball, em 12 de Abril de 1909, por um grupo de rapazes eborenses — Ricardo de Mattos Villardebó, Anselmo de Mattos Villardebó (8), Joaquim de Mattos Fernandes, Angelo Moreno, Raul de Sousa, Manuel Villas Boas e Jacintho Rosado Lopes, que da melhor vontade se prestaram a ensinar os alunos deste estabelecimento.
Completou-se o grupo com 15 alunos da casa que jogaram várias partidas tornando-se o jogo muito interessante; mas, só quando completou precisamente 4 anos de praticar, apareceram pela primeira vez em público com um encontro entre estes e o 2.° team do Sport Vitória Académico, em 12 de Abril de 1913, do qual triunfaram os alunos da Casa Pia por 1 a 0.

A sua sede era na Real Casa Pia (hoje Universidade de Évora), tendo por equipe a camisola roxa e branca (metade de cada cor) e calção preto.
De tanto batalharem, conseguem conquistar o título de campeões na época de 1920/21.
Em 8 de Outubro de 1915, comunicava o sr. Augusto Cabeça Ramos à imprensa, que a partir desta data ficava como treinador de futebol dos alunos internados na Casa Pia de Évora.
Em 1926, o grupo desta casa de beneficência, resolveu não entrar mais em competições públicas, e quatro dos seus jogadores ingressaram no Lusitano Ginásio Clube.

Adaptado de
"Subsídios para a História do Futebol em Évora" de Gil do Monte

Memórias - Lusitano Évora 1990/91


terça-feira, 27 de dezembro de 2016

Memórias - Lusitano Évora


segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

Memórias - Juventude Évora 2007/08


sábado, 24 de dezembro de 2016

História do Futebol em Évora - Equipas - Ginásio Club Comércio e Indústria


1.ªs «teams» do Sport Vitória Académico e Sport Empregados do Comércio 
(1912) num encontro no Rossio

O Club Sport Empregados do Comércio no intuito de alargar a sua ação, inclui no seu seio a seção de Indústria, pelo que resolveram rejuvenescer o Club sob a denominação de Ginásio Club Comércio e Indústria, em Assembleia Geral de 24 de Agosto de 1913. A sede era na Rua Conde da Serra, nos baixos do palácio deste titular, num celeiro grande que ainda hoje existe.

Portanto, o Ginásio Club Comércio e Indústria é uma continuidade do glorioso Club Sport Empregados do Comércio.

Começou pela prática da Alta Ginástica, sob a competência do sr. Arnaldo da Silveira, e só mais tarde conheceu a modalidade do Futebol.

Na referida Assembleia, foram constituídos novos Corpos Gerentes, como adiante segue:

DIREÇÃO
Presidente, Arnaldo da Silveira; Tesoureiro, Manuel Boleto (Cácá); Secretário, Satyro de Carvalho; Vogais, José Palminha Lança e António Marques Cachapa.

ASSEMBLEIA GERAL
Presidente, Manuel Traquete; Vice-Presidente, Manuel Meira Bastos; Secretários, Manuel do Vale e Bruno Godinho.

CONSELHO FISCAL
Celestino do Vale, Américo Baleizão e Grimaldo Fernandes.

Adaptado de

"Subsídios para a História do Futebol em Évora" de Gil do Monte

quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

Memórias - Juventude Évora 1995/96


quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

terça-feira, 20 de dezembro de 2016

AF Évora promove captação de novos árbitros



Continuam as ações de sensibilização pelo Distrito para a captação de novos árbitros de futebol e futsal. Vendas Novas, Borba, Vila Viçosa e Évora. 
Estas ações lideradas pelo Conselho de Arbitragem estão a ter a participação dos elementos do CAT que são acompanhados por Luis Godinho e Pedro Ramalho. 

Não queremos deixar passar esta oportunidade para agradecer a todos aqueles que têm participado e aos Professores e Escolas que nos recebem com as melhores condições possíveis.

Com o aumento do numero de equipas e jogadores, a captação de novos árbitros é fundamental para a qualificação da prática.

Seleção AF Évora - Convocatórias UT1 e UT2



2ºTorneio de Natal - Futebol 7


É já na próxima 3ªfeira que se realiza a 2ª Edição do Torneio de Natal em Futebol 7 com a participação da Seleção Feminina de Sub16 com vista a sua participação o Interassociações.

AF Évora - Formação de Treinadores "Joga à Bola"


A Associação Futebol de Évora vai promover a formação Joga à Bola de 09 de Janeiro a 06 de Fevereiro para todos os interessados em particular todos aqueles que trabalham com crianças dos 5 aos 8 anos.
Mais informamos que nesta ação vão ser desenvolvidos conteúdos sobre Pedagogia, Psicologia, Desenvolvimento das Capacidades Motoras e Ensino do jogo, sendo fundamentais para uma melhor intervenção dos treinadores nos escalões de petizes e traquinas.

Para além da importância dos conteúdos a desenvolver, esta ação permite criar a ponte entre o futuro Curso de Treinadores UEFA “C” que se realiza em Abril/Maio de 2017.

Memórias - Lusitano Évora 1980/81


domingo, 18 de dezembro de 2016

Futebol Distrital - Liga Carmim - Canaviais e Juventude venceram e ultrapassam o Alcaçovense


Futebol Distrital - Div.Honra - Corval venceu o Arcoense e sobe à vice-liderança


Campeonato de Portugal - Série "H" - Sp.Viana derrotado em Loulé


Resultados do fim de semana


Campeonato de Portugal Prio
Série "H"
18/12 15:00
Louletano 2-1 Sp.Viana

Campeonato Distrital da AF Évora
Liga Carmim
17/12 17:00
Juventude Évora 4-1 Arraiolense
18/12 15:00
Lusitano Évora 3-0 Atl.Reguengos
Oriolenses 1-3 Estrela V.Novas
Monte Trigo 1-1 Escouralense
U.Montemor 2-1 Perolivense
Lavre 1-3 Canaviais
Redondense 2-1 Alcaçovense
Divisão de Honra
17/12 15:00
Corval 2-1 Arcoense
18/12 15:00
Portel 4-0 Valenças
Fazendas Cortiço 0-4 Cabrela
Estremoz 2-1 Giesteira

sábado, 17 de dezembro de 2016

Taça Dinis Vital - Resultado do sorteio das meias-finais



Meias-Finais 
25 de Fevereiro de 2017
Lusitano Évora - Monte Trigo
Estrela V.Novas - Canaviais

sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

História do Futebol em Évora - Equipas - Ateneu Desportivo Eborense


Em 18 de Abril de 1913, realizou-se uma reunião numa das salas do 2.° andar da Sociedade Harmonia Eborense, vinte e tantos sócios do Club Spor­tivo (que já datava) em organização e sem nome ainda próprio, a fim de assentar as melhores bases para a sua fundação.
Presidiu o sr. dr. Felício Caeiro, secretariado pelos srs. Alferes Artur Matias e A. Correia. Depois de se ter apreciado as resoluções tomadas na últi­ma reunião, foi apresentada e discutida uma proposta dos srs. A. Carreia e J. d'Abreu Calhamar, ficando assente ficar o club com o nome de Ginásio Clube Português Eborense, praticando e desenvolvendo ali todos os ramos do des­porto, conforme o permitir a situação financeira.
Finalmente procedeu-se à eleição da direcção a qual ficou composta pe­los seguintes cidadãos:
- Srs. dr. Felício Caeiro, tenente Barbudo, dr. Lindolfe Bravo, J. d'Abreu Calhamar, A. A. Calhamar, Cabeça Ramos e o professor do Liceu Melo., ficando a direcção com plenos poderes para agregar a si, apenas como consultivo todos os peritos em desporto.

Ao entrar a sessão o Ex.mo presidente profere um breve discurso, dizendo ter aderido com entusiasmo à ideia da fundação de um Ginásio Club em Évora, não só por ter sido desde rapaz, amante do desporto, como também por saber que nesse clube não poderia dar entrada quaisquer vislumbres políticos ou partidários.
Assim, continua achando-se perfeitamente à vontade naquele meio, e tem a satisfação de comunicar à Assembleia que apesar de o novo Ginásio contar em seu seio poucos sócios relativamente no engrandecimento que o mesmo deve ter, todavia, poucos clubes se tem fundado com um número elevado deles. Desta direcção devem sair elaborados os estatutos.
A sessão encerrou pelas 23 e meia horas.

Porém, não ficou com o primitivo nome (Club Sportivo), nem tão pouco sob a designação que optara, mas sim a de Ateneu Desportivo Eborense, pelo qual passou a designar-se.

Em 1 de Dezembro de 1913, solenemente foi inaugurada a sua sede, com um espectáculo desportivo, seguido duma comédia — «Quem desdenha . . .», de Pinheiro Chagas, no Teatro Garcia de Resende, a fim de angariar fundos para o nóvel clube, que, apesar de seis meses de existência, contava já cerca de quatrocentos associados.

Neste sarau de arte, tomaram parte os apreciados amadores, — D. Alice Ribeiro, António Paquete, Valentim Júnior e outros. A orquestra compunha-se de 20 executantes, sob a regência do distinto artista sr. Martins da Fonte, esperando-se ainda que viessem elementos da capital mais alguns reforços, entre eles o exímio violinista Carlos de Araújo Júnior.

Tinha por Comissão Instaladora os seguintes senhores: dr. Felício Caeiro, Manuel Monte, dr. Bravo, António Correia, Cabeça Ramos e Melo. Pelas 12 horas do dia 7 de Dezembro de 1913, em sessão solene, é inaugurada a sede do Ateneu Desportivo Eborense, tendo o dr. Felício Caeiro feito o discurso de abertura e festa desportiva ao ar livre.

As salas do Ateneu, encontravam-se artisticamente ornamentadas em estilo alegórico aos diversos ramos de sport, como seja: Ginástica, Esgrima, Caça, Tauromaquia, Sports Atléticos, Patinagem, etc.
O velho palácio das Mercês, onde outrora fôra o Convento das Mercês, vestia as suas melhores galas. A extinta Praça de Touros das Mercês, sofreu uma completa transformação, para comportar a enorme multidão, que havia de assistir à festa sportiva. Abrilhantou a festa a Banda da Casa Pia.

O Ateneu dispunha então dos seguintes atletas: António Calhamar e Augusto Cabeça Ramos, no Jogo do Pau; Ismael Jorge, em Alteres; Arnaldo da Silveira, Matos Saraiva e António Cachapa, em Barra Fixa; dr. Lindolf Bravo e Azinhais Mendes, no assalto de Sabre; António Calhamar e Herculano Ramalho, em Paralelas.

Em Abril de 1914, o Ateneu adquiriu um campo de jogos (actual Estádio do Lusitano Ginásio Clube), que tencionava vedar, mas que não chegou a fazê-lo.
Era pertença da Ex.ma Senhora D. Inácia Barahona., que mais uma vez mostrou o seu grande amor pela sua terra, coadjuvando com o seu valioso óbulo em tão útil obra.
A 7 de Maio de 1915, em sessão da Câmara Municipal, foi apreciado um ofício da Direcção do Ateneu para a cedência do campo de Lawn Ténis, no Passeio Público (Mata), até ao fim do ano, sendo atendido na sua pretensão:

« ...Esta bem orientada colectividade fez nova escritura de arrendamento, por 15 anos, da parte do edifício do, extinto Convento das Mercês, onde está instalado, e em Assembleia Geral de 17 de Março de 1915, aprovou a construção dum teatro-circo na antiga Praça das Mercês.
A importante obra é feita por cota entre os sãcios,alguns dos quais receberam com tanto entusiasmo a iniciativa da .direcção, que antes mesmo da proposta ser apresentada à Assembleia, já tinham feito inscrições que atingiu metade da importância orçada para a obra. É de crer, pois, que esta nova casa de espectáculos, há tanto tempo desejada, ainda possa funcionar próximo em Julho como se diz».

(Do «Noticias de Évora», n.° 4 258, de 19-3-915).


Em fins de Janeiro de 1917, realizou-se uma Assembleia Geral para eleições de novos Corpos Gerentes, ficando assim constituída:

ASSEMBLEIA GERAL

(EFECTIVOS)
Presidente — Berardo Martins Andarinho; Secretários — José Maria Correia e Manuel Tomás de Sousa.

(SUPLENTES)
Presidente — José Celestino Formosinho; Secretários — Teimo Boleto e Rangel de Campos Nery.

CONSELHO TÉCNICO
Fernando Tamagnini d'Abreu e Silva, dr. Manuel Gomes Fradinho, José de Sousa e Melo, António Simões Paquete, Joaquim Francisca da Silva, dr. Armando Augusto Fernandes Gião, dr. Máximo Homem de Campos Rodrigues, Ismael Mário Jorge, João Maia, dr. Manuel Lopes Marçal Júnior, António Lobo de Abreu, Sebastião de Melo da Mota Cerveira, João Maria Martins da Fonte, Adriana Augusto Murteira e José Francisco de Sousa Gomes.

COMISSÃO REVISORA DE CONTAS
Ambrósia de Brito Vaz Coelho, Gabriel Victor d'Oliveira Mendes e Gilberto Carreia Alves.

DIRECÇÃO
Dr, Felício Caeiro, Armando C. Duarte Melo, António Alberto Correia, Manuel António Monte, Augusto Cabeça Ramos, José de Matos Fernandes e Joaquim A. de Abreu Calhamar.

SUBSTITUTOS
António Valentim Lourenço Júnior, José Monteiro Serra e António M. Saraiva.


O Ateneu lutou logo de início com dificuldades de toda a ordem, principalmente monetárias, para o empreendimento de vulto que se propunha realizar, como depois pela vida fora, mormente quando lhe foi imposto o cruel dilema do mandado de despejo, pelo injusto senhorio.

«Isto é, o Ateneu, cumpriu ao mesmo tempo a obrigação brutal da lei e o dever sagrado de humanidade que lhe assistia, em tal caso, da mesma maneira que qualquer tem o dever imperioso de receber e albergar, sob o seu tecto, o miserando andrajoso que se livrar da procela bate à sua porta.
Pois bem. Nestas circunstâncias, o que faz o senhorio? Tenta judicialmente escorraçar o Ateneu da sua casa, alegando a falta de cumprimento da dita prescrição do contrato.
Justiça se fará, os tribunais resolverão e o Ateneu não sairá, se alguma alta influência política não se mover iludindo a justiça! ...
Neste ponto não ficará prejudicado. O Ateneu há-de ser grande, há-de realizar a sua missão, através de todas as vicissitudes por que o façam passar, há-de ser grande e. realizar a sua missão, para bem da Pátria e da Humanidade, porque à sua frente estão almas cheias de fé, de entusiasmo e amor, o que basta para que tenham força criadora, profícua e progressiva.
Levará tempo mas vencerá! A ignorância não pode ditar leis nem impôr o caminho a seguir.
Esse senhorio, se queria realizar um bom negócio, não tinha nenhum outro meio de que deitar mão, leal ao menos? Tinha e fácil.
Era arranjar outra casa ao Ateneu, de fácil adaptação para este e tudo estava arranjado.
O Ateneu saía e assim o senhorio tinha as necessidades da sua vida aplanadas.
Porém, assim ... só em Março de 1929! Saiba-o toda a gente para que ao Ateneu não se imputem irredutibilidades prejudiciais a outrém, o que era algo desumano ...
Se esta questão trouxemos ao domínio público, é a par d'um desabafo de quem se sente revoltado, a convicção que temos de que o público necessita interessar-se pelas coisas que lhe pertencem, e o Ateneu vive para o bem dos mesmos que o desprezam e anavalham, vive como um elemento importante, na formidável obra de redenção, de regeneração e progresso que é preciso operar nesta Pátria, para que a vejamos linda, forte, digna dos que a criaram, digna desta luz magnificente que sobre ela cai, metamorfoseando-se em maravilhas de cor e de perfume!»
M. C.
(Do «Notícias de Évora», de 2-8 919).

 Adaptado de
"Subsídios para a História do Futebol em Évora" de Gil do Monte

Jogos a realizar entre 15 e 21 de dezembro

quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

Memórias - Lusitano de Évora


quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

Lusitano Ginásio Clube deseja um bom Natal

AF Évora TV - Juventude/Arraiolense é o jogo a transmitir


Fim de semana desportivo do Lusitano


Jogadores do Alentejo Central - José Chico


José Francisco Ferreira Pereira
3/6/1949 - Montemor-o-Novo
Médio-direito / Centro

65/66-Lusitano Évora--------princip.
66/67-União Montemor--------jun.
67/68-União Montemor--------III
68/69-União Montemor--------III
69/70-União Montemor--------III
70/71-União Montemor--------III
71/72-União Montemor--------III
72/73-União Montemor--------III
73/74-União Montemor--------II
74/75-União Montemor--------II
75/76-Lusitano Évora--------II
76/77-Lusitano Évora--------II
77/78-Lusitano Évora--------II
78/79-Lusitano Évora--------III
79/80-Lusitano Évora--------II
80/81-Lusitano Évora--------II
81/82-Lusitano Évora--------II
82/83-Lusitano Évora--------II
83/84-Lusitano Évora--------II
84/85-Lusitano Évora--------II
85/86-União Montemor--------III
86/87-União Montemor--------Dist.
87/88-inactivo
88/89-Fazendas do Cortiço---Dist.
89/90-Fazendas do Cortiço---Dist.*
*Jogador/Treinador)

Retirado de http://algarvalentejo.blogspot.pt

Portel recebe o Valenças este domingo


Jantar de Natal do Juventude


terça-feira, 13 de dezembro de 2016

Agenda desportiva do Juventude



Lusitano recebe o Atl.Reguengos este domingo


Memórias - U.Montemor (Juniores) 1966/67


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mensagens populares

Recomendamos ...